(In)compreensível

Site com crónicas da actualidade, temas aleatórios e vídeos.

Monthly Archives: Abril 2010

Escravidão II

Há um ditado que diz “Dinheiro não compra felicidade” e deste ditado já se fizeram muitas adições, a verdade é que não compra felicidade mas se não houver dinheiro dificilmente haverá felicidade até porque é difícil ser feliz quando temos contas para pagar, comida para pagar, necessidades para pagar, enfim se dinheiro não compra felicidade todos nós sabemos que ajuda e muito, também que sem ele muita infelicidade trará.

Este é o segundo tipo de escravidão, hoje em dia somos escravos do dinheiro e tudo o que fazemos gira a volta do dinheiro, estudamos para ter um bom emprego (não trabalho) para que ganhemos um bom ordenado, queremos um bom ordenado para aderirmos ao grupo dos consumistas anónimos, tudo o que fazemos é para comprar e consumir dando origem a outra sub-escravidão.

Todos os dias vemos pessoas em transportes públicos ou pessoas em direcção ao trabalho e quantas dessas pessoas vão a sorrir? Talvez 10% se muito, umas estão demasiado cansadas, preocupadas, stressadas, triste para sequer sorrirem pois apenas pensam se conseguem esticar o ordenado até ao final do mês, se conseguem colocar comer na mesa e pagar as contas.

Será que se ainda tivéssemos um sistema de trocas materiais como havia antes de haver a moeda as coisas seriam mais fáceis? Não posso dizer mas não parece correcto estarmos a ser escravos do dinheiro e de corporações que apenas pensam no lucro.

Incompreensível? É sermos escravos

Escravidão

Não é preciso ser bom a história para que nos lembremos do tempo dos descobrimentos, do descobrimento do Brasil e dos barcos que carregavam escravos de África para o Brasil para que trabalhassem em plantações, minas ou na casa dos senhores que tinham tudo e mais alguma coisa (devido ao trabalho escravo e trocas).

Agora podemos dizer que isso já faz parte da história e que isso já não acontece, porém esta afirmação está mais que errada, hoje em dia continua-mos a ser escravizados a única diferença é que já não somos escravos de uma maneira tão visível como antigamente nem de uma maneira tão brutal mas as diferenças serão assim tão diferentes?

Hoje em dia todos somos escravos e não tem nada a ver com cor de pele, nacionalidade, de quem e que somos filhos ou não, existem algumas pessoas que são mais inclinadas para um tipo de escravidão do que para outro mas a verdade e que somos todos escravos.

O primeiro caso que vou focar aqui é a tecnologia, hoje em dia a tecnologia é algo tão banal que nem sequer conseguimos imaginar passar dois dias sem telemóvel, computador, televisão, mp3, consola, enfim tudo o que usamos hoje em dia. Ficamos irritados quando estamos a navegar e por algum motivo ficamos sem internet durante 30 minutos, não sabemos o que fazer e quem está habituado a usar internet quase que não consegue fazer nada numa máquina que não tenha acesso ao mundo virtual.

Existem pessoas que fazem 20minutos a mais porque têm que voltar a casa, simplesmente não conseguem viver um dia sem telemóvel e quando os bichos ficam com fome e morrem é o desespero é ver todos a tentar arranjar um cabo para o ligar a corrente.

Enfim os exemplos são muitos e não vale a pena dizer todos porque se não nunca mais acaba este post, mas acho que temos que começar a pensar no que e importante na nossa vida, um estudo num daqueles jornais a borla que dão dizia que os portugueses fazem cada vez menos desporto e estão a ficar cada vez mais parados. É um problema grave e acho que deveríamos de tentar sair da escravidão tecnológica não completamente mas tentar evitar os excessos.

Incompreensível? É a escravidão

A princesa

Compreensível? É este final

A prisão

Todos nós já vimos e muitos de nós já andaram naquelas coisas que têm um vasto nome, autocarro, camioneta, camionete, número do trajecto, autocharro, charrete, enfim o número de nomes é vasto mas há um que nunca e usa e acho que se adequa mais, esse nome é simplesmente ‘prisão’ bem sei que não compreendem logo a primeira mas, é mesmo para isso que aqui estou. Ora bem para aquelas boas pessoas que tem que se resignar em andar nestes transportes imprevisíveis e nunca andam a horas já viram estes cenários que vou enumerar aqui.

1-      Aquele botão giro e engraçado vermelho que muita vez tem as letras ‘STOP’ inscritas nele, imediatamente que a ‘prisão’ arranca da paragem e é ver quem é que carrega primeiro no botão para que aquela lâmpada engraçada comece a piscar, deve ser causa de ver muitos jogos de palavras onde as pessoas têm que carregar em botões.

2-      Todos sabemos que os condutores da ‘prisão’ são profissionais e conduzem muito bem… ok nem por isso mas devido a todos saberem que a condução dos ditos condutores não e das melhores deveria ser uma razão para que assim que a ‘prisão’ chega a 10 quilómetros de distância da sua paragem quem vai sair começa logo a levantar dos bancos e dirigir para a porta a toda a velocidade também e nem que para isso tenham que bater e empurrar alguém

Ora ou a camioneta é vista pelas pessoas que estão lá dentro como alguma espécie de concurso onde o mais rápido ganha ou então a camioneta e vista mesmo como uma prisão daí a velocidade para carregar no botão que lhe abrirá as portas para sair.

Incompreensível? São as pessoas…